noticias

Foto Icict: Igor MoreiraFoto Icict: Igor MoreiraEm fevereiro, o pesquisador do Laboratório de Comunicação e Saúde (Laces)/Icict/Fiocruz e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS)/Icict, Igor Sacramento, foi ouvido pelo ‘The Washington Post’ em uma matéria sobre a febre amarela no Brasil (Brazil battles yellow fever – and a ‘dangerous’ anti-vaccination campaing). Nela, o pesquisador fala sobre os boatos contra a vacina da febre amarela no país.

Em um momento tão crucial para a saúde da população, diversas notícias falsas dificultam a adesão da população à vacinação contra a febre amarela. O site “Boatos” listou as sete mentiras sobre a febre amarela “que sempre enganam os menos informados”, tais como “Febre amarela é uma farsa criada para vender vacinas” ou “Médico de Sorocaba diz que vacina paralisa o fígado” ou “Própolis espanta o mosquito da febre amarela”, são alguns exemplos que circulam nas mídias sociais, em especial noWhatsApp (aplicativo de celular), causando muita confusão e fazendo com que algumas pessoas fiquem em dúvida se devem ou não se vacinar.

No ínicio de fevereiro (05/02/2018), o site The Intercept veiculou a matéria “Morte após acina contra febre amarela intensifica fake news e teorias da conspiração”, na qual aborda a questão das notícias falsas e divulga a seguinte lembrete da Fiocruz: “Antes de compartilhar uma informação que possa causar pânico desnecessário e confundir, certifique-se que vem de uma fonte oficial. Saúde Pública é coisa séria”.

No meio de tanta incerteza, o site do Icict conversou com Sacramento sobre o uso das fake news e a pós-verdade na saúde e seus impactos na desinformação da população. Ele afirma que “as fake news não têm como ser combatidas ou eliminadas. Elas fazem parte da dinâmica social contemporânea”, mas defende uma mudança na estratégia de comunicação: “do ponto de vista da comunicação, uma disposição grande para o diálogo, para a empatia, para a compreensão, mas também uma processo de formação que permita que profissionais de saúde conheçam a especialidade do imperativo comunicacional de nosso tempo.”

Abaixo, a entrevista completa com Igor Sacramento.

Qual o impacto das fake news na campanha de vacinação da febre amarela?

Os boatos, como informações concorrentes às oficiais, existem desde sempre. Eles fazem parte das redes de comunicação de uma sociedade,  produzindo as práticas de difamação de pessoas e a desconfiança das instituições, de imaginação de histórias e circulação de narrativas amplamente disseminadas mas sem localização de origem possível. No lugar de um responsável, um pseudônimo, quando muito. Em geral, era assim porque se dizia ser assim.

Vivemos diferentes experiências de relação com a verdade. A principal  mudança contemporânea é o modo como nos relacionamos com eles e isso necessariamente tem a ver com o valor. O modo como se valora um enunciado algo como sendo boato e, portanto, falso, mentiroso, sem importância, e outra coisa como informação, ingrediente da verdade, correto.

O impacto das chamadas fake news na campanha de vacinação da febre amarela ainda não foi mensurado, mas temos uma reação popular complexa: ao mesmo tempo que vemos as filas aumentando, há uma crescente desconfiança em relação ao fracionamento (o termo leva as pessoas a crerem que se trata de algo menor, fragmentado, ineficiente, ruim) e à própria vacina, que poderia fazer mal e até levar à morte. Essas notícias se espalham com muita força na redes sociais online, mas também em aplicativos de troca de mensagens como o WhatsApp.

Mas, por que fake news na saúde?

Sobre as fake news, meu ponto é o seguinte: elas só são possíveis de serem qualificadas como falsas num contexto de crise institucional, próprio da modernidade tardia, em que novos e antigos sistemas de crença fazem frente aos sistemas peritos estabelecidos com base no conhecimento científico.  Está em jogo nas fake news de modo geral e sobre a saúde particularmente uma relação tensa entre a confiança e a desconfiança na política, na ciência e no Estado em direção ao privilegio de lutas e interesses micropolíticos, na experiência pessoal e na intimidade.

É possível notar, por exemplo, que os grupos antivacinação que proliferam no Brasil e no mundo tem como pressuposto básico a desconfiança e a busca por contra própria da verdade. Esses grupos estão disputando com o Estado e a ciência a verdade. Eles não são fanáticos, ignorantes, como muitos preconceituosamente afirmam. Eles acreditam estarem de fato em busca da verdade e numa legítima desconfiança, geralmente baseada em artigos, pesquisas, mas, sobretudo, em relatos de experiência pessoal. É preciso analisar esses grupos do ponto de vista da cultura, das transformações culturais, porque passamos numa sociedade marcada pelos processos de midiatização e pela intensa difusão do ideário de que a saúde é uma questão de mera responsabilidade individual. É preciso buscar compreender como eles veem o mundo, a ciência, a saúde.  

O senhor poderia citar alguns exemplos?

Vou dar apenas três exemplos recentes. Eles são muitos. O primeiro deles é o de que macacos transmitem febre amarela. O zelador do meu prédio me mostrou um vídeo que recebeu no WhatsAppfazendo um grande histórico das doenças que teriam origem em macacos: HIV, ebola e na sequência a febre amarela.

Outros dois vídeos eu recebi também por WhatsApp da minha sogra. Eles ainda estão disponíveis no YouTube: “A Farsa das Vacinas  - Febre Amarela” e “Febre Amarela, assista antes de tomar a vacina!”. O primeiro deles - numa linguagem mística e alarmista - faz associação entre a vacinação e o objetivo de diminuição da população mundial pelos "donos do mundo". O outro é um áudio, com a imagem congelada, de alguém que parece ser um guru espiritual.

Outro caso, este de 2016, é da jornalista Fabiane Vasconcellos em seu canal do YouTube Fabiane Vasconcellos OFICIAL, que alega a necessidade de uso de protetor de pescoço para previnir câncer de tireóide em mamografias. Ela baseia seu comentário – que teve grande repercussão e recebeu uma contestação de Drauzio Varela em seu canal do YouTube – e conta com depoimentos do médico Lair Ribeiro.

Uma questão importante - para além do conteúdo - é a forma. O primeiro e o terceiro vídeo utilizam uma linguagem factual, do documentário (no primeiro) e do jornalismo (no terceiro). Acionar essas formas canônicas de circulação de um discurso socialmente valorado como verdadeiro é uma demonstração da disputa pelo poder dizer, pelo controle do discurso. É essa dimensão, a da disputa entre mundos sociais e sistemas de crenças distintos, é que deve ser explorada. Nessa disputa, não estamos nos afastando do discurso da perícia necessariamente, mas buscando sermos especialistas no estilo de vida e particularmente como um bom estilo de vida, seja no cuidado com a saúde, com o corpo, com a alimentação, na maternidade/paternidade, na religiosidade e assim por diante. O excesso de informações, de redes de comunicação, nos faz sermos especialistas. É uma contrapartida à entropia, ao caos, ao amontoado de textos e informações que nos rondam. Somos cobrados a sermos especialistas diante do excesso, nos autodiagnosticamos, vamos ao médico achando que sabemos o que temos,   

Há estudos sobre as fake news na área de saúde?

Fake news tomou uma proporção muito grande no mundo, especialmente no âmbito da política. As três últimas campanhas a presidente dos EUA foram marcadas por fake news, vetorizado pela internet e particularmente pelas redes sociais on line. Há fenômenos relacionados ao das fake news como a paródia de notícias em sites como Sensacionalista, algo que Filipe Macon analisou na sua dissertação de mestrado que foi publicado em livro, “Os Bastidores da Paródia de Notícias”. Há alguns estudos sobre isso, sim.

Escrevi um texto com a Katia Lerner (Laces/Icict), sobre os boatos em relação à vacina contra a Influenza H1N1 (“Pandemia e biografia no jornalismo: uma análise dos relatos pessoais da experiência com a Influenza H1N1 em O Dia). Também destaco o trabalho de Marcelo Garcia (“Disseram por aí: deu zika na rede! – Boatos e produção de sentidos sobre a epidemia de zika e microcefalia nas redes sociais”), orientado pela Janine Cardoso, do PPGICS, que tem um excelente trabalho sobre o assunto. Estou orientando uma dissertação de mestrado, de Renata Ribeiro Gómez, sobre um grupo antivacinação noFacebook. Lá circulam muitas informações para embasar o não uso de vacinas. O que ela vem buscando é analisar como os enunciados que circulam ali são de prevenção de riscos e de promoção da saúde, o que no caso envolve-se não se vacinar. Entender a lógica que permeia esse discurso é fundamental para compreender a saúde coletiva e para entender a saúde como manifestação sociocultural. 

Há alguma estratégia para controlar as fake news das mídias sociais na área de saúde?

Diretamente não. No entanto, eu acho que o Ministério da Saúde, e a Fiocruz particularmente, tem mudado de postura, embora lentamente. Dizer que é boato, que é mentira, que é ignorância não ajuda em nada. É apenas uma forma de incrementar a disputa pela verdade.

O discurso anônimo ou sob pseudônimo que produz um conjunto de difamações e calúnias sobre reis, rainhas e outros nobres, por exemplo, é algo muito bem estudado pelo jornalista e historiador americano Robert Darnton no contexto do Antigo Regime. O que os estudos de Darnton fazem é demonstrar as redes de comunicação existem, como os boatos circulam, sob que materialidades e formatos (livros, panfletos, jornais, romances, poesias, crônicas). Temos diferenças grandes em relação ao contexto estudado por ele. É perceptível que concorrem com informações oficiais discursos nominais. As pessoas assumem o que falam, sua opinião, seu ponto de vista, sua experiência como verdade em redes sociais online, principalmente. É assim porque desde meados do século XX vivemos uma guinada subjetiva, como diagnostica Beatriz Sarlo, escritora argentina, em que a experiência e o testemunho assumem um status de verdade: eu vivi, eu sei, é verdade. Assim, eu passo a confiar mais em que viveu (nas vítimas) do que nos que sabem (nos cientistas). Saber passa necessariamente pela experiência, pela necessidade de lugar de fala e de adesão àquilo que acredito. Portanto, acho que as fake news não têm como ser combatidas ou eliminadas. Elas fazem parte da dinâmica social contemporânea.

Novas estratégias de comunicação pública em saúde devem ser elaboradas e aplicadas. A atuação nas redes sociais online ainda é tímida, mas muito melhor do que foi. Não adianta apenas ter páginas, perfis no Facebook ou no Twitter, reponder às perguntas, porque também é preciso produzir conteúdos que apresentem outras dimensões do processo de saúde-doença, da importância da vacinação, reconhecendo e jamais ignorando que outras informações circulam.

Também é fundamental estratégias de comunicação mais locais. Nosso cotidiano é permeado por redes sociais online. Não há mais como pensar a comunicação em rede de acordo com os preceitos da comunicação de massa. É preciso saber pensar a rede, elaborar formas de atuação, incentivar pesquisas, atuar na rede, mobilizar, trazer as pessoas que disseminam informações contrárias às políticas de saúde atuais para dentro das instituições. É necessário sobretudo dialogar. E dialogar não é dizer que é mentira, que é falso, que é burrice. Isso não aproxima, afasta ainda mais a ciência da população. Então, é muito difícil um projeto de comunicação para a saúde senão como transmissão de informações. Esse modelo não dá conta de nossa realidade sociocomunicacional.

Então, qual é a solução como você me pergunta? Do ponto de vista da comunicação, uma disposição grande para o diálogo, para a empatia, para a compreensão, mas também uma processo de formação que permita que profissionais de saúde conheçam a especialidade do imperativo comunicacional de nosso tempo.

A população está vulnerável às fake news e à pós-verdade?

A ideia de pós-verdade é um jargão jornalístico, marqueteiro, mas não é um conceito filosófico. Como conceito, ele não faz sentido. É preciso primeiro haver uma verdade ou a verdade para depois se dizer há uma pós-verdade. Eu trabalho com noção foucaultiana de regimes de verdade. Como ele disse, cada sociedade, em cada época histórica, tem seu regime de verdade e produz um conjunto de instancias e mecanismo que possibilitam a distinção dos enunciados verdadeiros dos falsos. Como já disse, vivemos uma crise de confiança nas instituições. O estatuto de dizer o que é verdadeiro ou não está em disputa. Por ouro lado, o que torna a população vulnerável são as desigualdades socais: a falta de saneamento, de moradia, de educação pública de qualidade, de lazer, de acesso à informação, do SUS fortalecido. O fenômeno das fake news deve ser pensado em sua inteireza nas suas dimensões sociais, culturais, econômicas, comunicacionais. 

As mídias sociais ficaram sob fogo cerrado em 2017, com vários questionamentos sobre manipulação de informação e notícias falsas. É possível, ou desejável, um controle sobre as mídias sociais?

Controle social é completamente diferente de censura. Não se revolve o surto de febre amarela, de dengue ou de zika com a censura. Qual seria a solução? Caçar fake news? Solicitar ao Facebook para cancelar grupos sobre o assunto? Isso só reforça o fato de que algo que o Estado quer esconder. Esse é o principal argumento das fake news sobre saúde: os poderosos querem matar a população por dinheiro e poder.

A questão para mim é inclusão. As estratégias de comunicação não devem ignorar as informações antagônicas. É muito comum optar por soluções fáceis como "é verdade ou mito?". Esse, para mim, não é o caminho. É preciso estar atento aos múltiplos usos possíveis e ciente de que era um trabalho de comunicação saber que, por exemplo, o uso da expressão “fracionada” para vacina era ruim. Embora seja tecnicamente correto, poderia ser entendido  - e foi - como algo parcial, fraco, ruim, não completo. Isso veio algum tempo depois de anos de recomendação de dose com validada para 10 anos mudar para dose única e passar agora para fracionada, que pode durar até oito anos. Num contexto marcado pelo excesso de informações e visibilidade como o nosso, é preciso pensar essas decisões políticas no campo da saúde do ponto de vista da comunicação. A comunicação não pode ser encarada apenas como ferramenta, como instrumento, como serviço, mas também como um campo estratégico de pensamento e ação no campo da saúde. Essa mentalidade vem mudando no âmbito do Ministério da Saúde, mas muitas lutas ainda precisam ser conquistadas.   

Qual o papel da mídia (grande e pequena ou alternativa) em relação às fake news e à pós-verdade?

Para mim, não adianta que as instituições (do Estado e do mercado) fiquem acusando o discurso do Outro de "falta": é falta interpretação, é falta de repertório, é falta de letramento midiático, é falta de estudo, é falta pensamento abstrato e assim por diante. Em alguma medida, o fenômeno do que vem sendo chamado de pós-verdade é real, concreto, com grandes efeitos na sociedade. Mas, como ideia, ele é gestado (somente possível) numa sociedade como nossa, marcado por processos de midiatização e de crise institucional na definição do verdadeiro, do correto, do bem. Por exemplo, muitas empresas e start-ups jornalísticas estão se especializando em checagem de informações. É um fenômeno contemporâneo, uma demanda social e uma oportunidade de mercado num contexto de crise do jornalismo como discurso da verdade. Essa é a questão fundamental.

Eu entendo que, quando se diz pós-verdade, não se está dizendo que há uma verdade que está sendo falsificada. É muito mais produtivo pensar que o que se chama de pós-verdade é a busca por informação baseada nas crenças, nos desejos e nas preferências pessoais ou de grupos restritos. Atualmente, isso tem a ver com o Facebook, criando bolhas afetivo-informacionais pela lógica do algoritmo. Trata-se de uma lógica pautada pelo "eu acredito naquilo que eu gosto e eu gosto daquilo em que eu acredito". Não chega a ser a ausência da diferença, mas um presença bem controlada (peloFacebook e também pelo usuário, na medida em que ele pode deixar de seguir, denunciar, apagar o comentário). Isso tem a ver com o Facebook, mas o Facebook e outras redes sociais online são efeitos de um processo social mais amplo.

O sociólogo americano Richard Sennet num livro importantíssimo, “O declínio do homem público”, tem como tese de que a esfera pública burguesa moderna tem se reconfigurado drasticamente pelo fato de contemporaneamente entendermos a intimidade como o lugar da verdade: as relações sociais são vistas como sendo mais verdadeiras quanto mais íntimas forem. É por isso que, por exemplo, pode-se acreditar mais nas informações que circulam no WhatsApp, com seus amigos e familiares, do que nas informações oficiais, do governo ou dos jornais de grande imprensa. Ou seja, o fenômeno de pós-verdade deve ser entendido como uma nova relação com a verdade, que não está mais pautada pela checagem, pelo factual, mais pela capacidade de afetação, de reforço de crenças pessoais ou de um grupo, como no caso dos antivacinação. 

Nisso tudo, os jornais não são mais vistos como lugares da verdade, mas da opinião. É muito comum nas redes sociais veremos manifestações como as da página “Caneta Desmanipuladora”, demonstrando claramente os posicionamentos políticos dos principais jornais do país, em algum momento chamados de jornais de referência ou da grande imprensa. Também identificamos um conjunto grande de novos coletivos de informação como Mídia Ninja.

É possível mudar o jogo?

As pessoas buscam cada vez mais formas alternativas, concorrentes, menores, não oficiais de informação, de modo que atenda às suas crenças e posicionamentos. Isso não é diferente em relação à saúde. As pessoas buscam informações que reforcem seus preceitos.

Estamos saindo de um regime de verdade baseado no factual para o domínio dos dogmas, das crenças e das preferências. É claro que ainda importa, em alguma medida, se algo aconteceu ou não, mas há também uma desconfiança em relação a quem diz que aconteceu ou não. O que aconteceu reforça a minha visão de mundo? Se não reforça, eu não dou bola, minimizo, deixo para lá. Se reforça, eu comento, compartilho, defendo, comemoro.

Vivemos um contexto de máxima visibilidade, de excesso de circulação informacional, de uma enorme disposição para a polêmica, para o debate, para o comentário, para o compartilhamento, para a curtida, para o like, para o unlike, mas ainda mais, como bem disse Sennett, para a vida em gueto, reclusa àqueles que pensam e agem como eu, que gostam do que gosto e acreditam no que eu acredito. A integração e o diálogo são desafios para o campo da comunicação na saúde, assim como são para uma sociedade democrática. 

 

Vagas