Fiocruz celebra Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

Roberta Costa (CCS/Fiocruz)

O Comitê Pró-Equidade de Gênero e Raça da Fiocruz promove nesta terça-feira (27/7), das 10h às 12h, o encontro virtual Mulheres negras no enfrentamento da pandemia da Covid-19, para celebrar o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra (25/7). O evento tem como objetivo discutir sobre as questões enfrentadas pelas mulheres negras e suas lutas, especialmente no contexto atual da pandemia da Covid-19, e busca ser um espaço de debate e reflexão acerca do racismo enquanto um determinante das iniquidades sociais.

“O 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, é uma data fundamental para a conscientização acerca das especificidades dos problemas enfrentados pelas mulheres negras. Para além das demandas colocadas pelo movimento feminista pelos direitos das mulheres, a condição étnico-racial exige das mulheres negras e quilombolas um somatório de enfrentamentos – do racismo e do sexismo – na busca por direitos, equidade e justiça social”, declarou a analista de Gestão em Saúde da Coordenação de Saúde do Trabalhador, da Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas (CST/Cogepe) e integrante do Comitê Pró-Equidade, Cecilia Barbosa.

A transmissão do encontro será feita pelo canal da VideoSaúde Distribuidora da Fiocruz no YouTube, com tradução para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Para dialogar sobre o assunto foram convidadas a doutora em saúde pública, Maria Inês Barbosa; a assistente social da ONG Luta pela Paz/Maré, Dayana de Souza; e a coordenadora-executiva do CTA/ZM e GT Mulheres da Articulação Nacional de Agroecologia, Beth Cardoso. A abertura do evento será feita pela assistente social do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) e integrante da Coordenação Colegiada do Comitê Pró-Equidade, Roseli Rocha; pela mestranda em saúde pública da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp), Roseane Corrêa; e pela pesquisadora do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz) e presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc-SN), Mychelle Alves. A mediação ficará por conta da assistente de Gestão do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) e integrante do Comitê, Meony Santos. A live ainda contará com a intervenção artística da poeta e escritora, Maiara Silva. 

Para Cecilia, o evento fortalece o compromisso institucional da Fiocruz na defesa da igualdade e da justiça social. “O debate sobre as desigualdades relativas a relações étnico-raciais e de gênero, por meio da pauta colocada pelo Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, vai ao encontro do posicionamento institucional da Fundação em defesa dos direitos humanos e da valorização da diversidade na perspectiva da equidade, pontuou a psicóloga.

Continue lendo.


Fonte: Agência Fiocruz de Notícias (AFN).