INCQS/Fiocruz investe em inclusão nos cuidados contra a Covid-19 - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

Por Penélope Toledo (INCQS/Fiocruz)

O dia 21 de setembro foi o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência. Em um contexto de pandemia, é fundamental a atenção para as deficiências de natureza física, mental, intelectual ou sensorial nos cuidados contra a Covid-19, conforme ressaltam Renata Dalavia, do Setor de Artigos de Saúde do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz), e Filipe, Quirino, do Setor de Produtos Biológicos.

Portanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) determinou que toda informação sobre o tema esteja acessível na linguagem qualificada de sinais nos conteúdos televisivos, para as pessoas surdas ou com algum grau de deficiência auditiva; que as telefonias tenham serviços de texto para pessoas surdas ou com dificuldades de audição; e que os sites oficiais disponham de ferramentas de acessibilidade para as pessoas com deficiência de aprendizado, auditiva e outras.

Além disso, outras adaptações estão sendo pesquisadas e viabilizadas, como máscaras faciais em 3D, para pessoas com deficiência auditiva e informações segmentadas, considerando as especificidades das pessoas com necessidades especiais. “Deve ser realizado um trabalho incessante, em todos os âmbitos, de combate à pandemia para mudar esta realidade sem se esquecer de ninguém, com empatia e respeito às dificuldades de cada indivíduo. Precisamos permitir a acessibilidade aos meios físicos, sociais, de saúde, educação e à comunicação para possibilitar que pessoas com deficiência gozem plenamente de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais com segurança”, defendem Renata e Filipe.

Máscaras faciais em 3D

Pesquisadores desenvolveram Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) inclusivos, como as máscaras faciais em 3D, constituídas por material inteira ou parcialmente transparente, deixando à mostra a região da boca, o que permite a leitura labial e a visualização da expressões faciais, fatores importantes na comunicação das pessoas com algum tipo de deficiência auditiva.

“As máscaras são fundamentais, porque funcionam como uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminadas, conferindo proteção no dia a dia. Entretanto, as máscaras opacas impossibilitam a leitura labial, por isso a importância deste EPI em 3D”, explicam Renata e Filipe. Eles enfatizam que a confecção e o uso destas máscaras devem seguir os padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS).


Continue lendo.