Fiocruz completa 112 anos com realização de atividades no campus Manguinhos - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

Com uma programação de aniversário iniciada ontem, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) completa hoje (25/5) seus 112 anos de atuação fundamental para a saúde pública. As atividades incluem homenagens, lançamento de livro e do portal na internet, mesas-redondas, inauguração de novas instalações, exposições, shows e uma prova de corrida para colaboradores. 

A Fiocruz tem uma atuação diversificada: estudos clínicos, epidemiológicos e em ciências biológicas, humanas e sociais; formação de recursos humanos; prestação de serviços hospitalares, ambulatoriais e de vigilância sanitária; e fabricação de medicamentos, vacinas e outros insumos estratégicos, além dos subsídios às políticas públicas.

A multiplicidade de ações é marca registrada da Fundação, cujas iniciativas incluem estudos avançados sobre micro-organismos causadores de doenças sob a perspectiva da genômica e da proteômica; pesquisas com células-tronco; fortalecimento da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano; participação no Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas; análises sobre violência; estratégias para inclusão social das populações desfavorecidas; e projetos de promoção da saúde do trabalhador, entre outros. Há 14 anos, a Fiotec apoia o desenvolvimento de vários desses projetos, que são de grande relevância para a sociedade. 

Pensando no futuro

Nas vésperas da Conferência Rio+20, a Fiocruz lançou o documento “A saúde na Rio+20: desenvolvimento sustentável, ambiente e saúde”. Com isso, a Fundação busca preencher uma importante lacuna na agenda da Rio+20, já que o chamado Esboço Zero, a primeira versão do documento “O futuro que queremos”, não faz menção à saúde.

Essa capacidade de pensar o Brasil de hoje e refletir sobre o país que teremos amanhã também gerou o livro “Saúde no Brasil em 2030  – diretrizes para prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro”, que foi lançado durante comemorações dos 112 anos, e a mesa-redonda “Inovação e Desenvolvimento Tecnológico para a Saúde”.  

Para obter mais informações sobre as atividades, clique aqui

Fonte: *Com informações da CCS/Fiocruz

Foto: Peter Ilicciev