Fiotec apoia estudo de Poluentes Orgânicos Persistentes no Brasil - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

O projeto “Estudo de Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) em leite humano no Brasil”, desenvolvido pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz), é apoiado pela Fiotec. Ele visa fornecer informações sobre as consequências dos POPs para saúde pública e produzir dados acessíveis, confiáveis e comparáveis dos níveis de POPs em leite humano para os propósitos da Convenção de Estocolmo.

Por meio do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh), a Ensp é responsável pela coleta e análise das amostras do leite humano. O objetivo é minimizar fontes até a eliminação e banimento total desses poluentes, cujo monitoramento ocorre pela alta toxicidade e habilidade de causar efeitos adversos à saúde humana e a outros organismos vivos, bem como pela elevada persistência no ambiente. Os POPs têm afinidade por gordura e, por isso, o leite materno é entendido como um dos indicadores da presença dessas substâncias no ambiente. 

Metodologia

Para garantir a uniformidade da comparação das amostras em nível global, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) elaboraram guia de condução das pesquisas, que contempla a metodologia de coleta da amostra, identificação de doadoras, critérios de seleção, dentre outros. A Ensp/Fiocruz adaptou o guia à realidade brasileira.   

De acordo com a coordenadora do projeto, Ana Braga, em entrevista à Agência Fiocruz de Notícias (CCS/Fiocruz), serão coletadas ao todo 150 amostras individuais, de 15 locais diferentes, que serão divididas em três amostras de 50 doadores. As amostras coletadas serão enviadas para o laboratório de referência da OMS, na Alemanha.

Também em entrevista ao CCS/Fiocruz, o pesquisador do Cesteh e integrante da pesquisa, Thomas Krauss, afirmou que só é possível ter conhecimento, em nível nacional, do estado da contaminação ou distribuição desses poluentes fazendo o monitoramento. “A matriz que será usada, leite materno, representa a exposição atual da população em geral”, disse. Além do conhecimento acerca dos níveis da exposição, os resultados poderão apontar situações passíveis de controle, além da investigação de problemas à saúde da população. 

*Com informação da CCS/Fiocruz