IOC/Fiocruz promove formação de profissionais na região de Floresta Amazônica brasileira - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

O Dia da Amazônia é celebrado hoje (5/9) aqui no Brasil, mas os motivos para comemorar são poucos. De acordo com estudos do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o aumento do desmatamento na Amazônia chegou a 22%, uma área equivalente a 200 mil campos de futebol. Hoje, os estados mais afetados são Mato Grosso, Pará e Amazonas.

A negligência com o meio ambiente, causada pelo avanço da fronteira agrícola, a mineração e a criação de bovinos, provoca reflexos como as mudanças climáticas, extinção de espécies nativas e, em especial, a migração de populações em decorrência da ocupação destas áreas.

O conhecimento e a tecnologia são dois importantes caminhos para a construção de uma relação saudável entre homem e natureza. Por isso, desde 2012, a Fiotec apoia um projeto voltado à formação de servidores docentes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (Ifac). Além de professores mais especializados, com capacidade para potencializar o processo de ensino-aprendizagem, o Programa de Pós-Graduação do Instituto Oswaldo Cruz (IOC) coordena a formação com o objetivo de promover o desenvolvimento de tecnologias biológicas, ambientais e sociais aplicáveis à Amazônia.

A formação dos docentes em profissionais pós-graduados também contribui para o desenvolvimento socioeconômico do estado do Acre, bem como do Norte do Brasil. Hoje, o cenário econômico da região ainda é o primário-exportador, com forte incentivo a setores produtivos que geram bens com baixo valor agregado, e salários baixos para os trabalhadores. Atividades que, além de tudo, baseiam-se na exploração intensa dos recursos naturais da região, agredindo diariamente o rico ecossistema amazônico.

*Com informações do portal destakjornal.com