Consórcio Chagas da Fiocruz, escolhido pela Unitaid, conta com gestão da Fiotec - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

(Foto: Peter Ilicciev/Fiocruz Imagens)

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) foi selecionada na primeira fase do edital da Unitaid (entidade ligada à Organização Mundial da Saúde) que visa a eliminação da transmissão congênita da doença de Chagas em países endêmicos da América Latina. O Consórcio Chagas é coordenado pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) e conta com a parceria de outras unidades da Fundação, universidades federais brasileiras, além do Ministério da Saúde e organizações não-governamentais.

O projeto tem atividades previstas na Bolívia, Brasil, Colômbia e Paraguai, e atuará durante quatro anos com ações divididas em dois eixos: o primeiro trata-se da realização de uma pesquisa de implementação em municípios-alvo dos quatro países, desenvolvida com o objetivo de melhorar o acesso e a demanda por serviços existentes voltados à doença de Chagas; o segundo, por sua vez, busca o desenvolvimento de ferramentas práticas para diagnóstico e tratamentos inovadores no combate à doença.

Liderado pela pesquisadora do Laboratório de Pesquisa Clínica em Doença de Chagas do INI/Fiocruz, Andréa Silvestre, o desenvolvimento técnico do projeto fica sob responsabilidade da Fundação, enquanto a Fiotec figura como “lead organization no que concerne à gestão administrativa, financeira e logística do consórcio”, explica Thaissa Takamoto, analista da equipe de Iniciação de Projetos da instituição. “Cabe à Fiotec, então, centralizar a gestão do projeto para a Fiocruz, países e instituições participantes, principalmente nos reportes que devem ser feitos à Unitaid”.

O projeto está hoje em sua segunda etapa, a chamada Grant Agreement Development (GAD), que envolve uma série de reuniões para produção de documentos, relatórios, envio de documentação institucional e elaboração de um pré-projeto, que funcionará como uma espécie de projeto-piloto. “Essa etapa durará alguns meses, até a assinatura do contrato e efetivo início da execução do projeto”, esclarece Thaissa.

Desde a submissão de proposta à Unitaid, seguida do envio de documentação institucional para cumprir exigências da entidade financiadora, a Fiotec se dedica ao projeto com mobilização de suas áreas financeira e de logística internacional, além das próprias equipes de Projetos.


Com informações do portal da Fiocruz.