Profissionais vinculados à Fiotec participam de discussões sobre controle da malária - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

(Foto: reprodução portal governo do Acre) 
Apoiadores municipais contratados pela Fiotec participaram de uma série de reuniões que discutiram estratégias de erradicação da malária no Brasil, principalmente entre os estados que compõem a Amazônia Legal. Ao lado deles estiveram coordenadores e pesquisadores vinculados à Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), além de representantes do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS). O evento aconteceu entre 31 de maio e 3 de junho, em Brasília.

Os encontros debateram o controle e eliminação da doença, abordando os fatores determinantes que potencializam o aumento dos casos de malária. Além de discutir, do ponto de vista de gestão da doença, o uso do sistema de informação como instrumento para tomada de decisão nas ações de prevenção, bem como a supervisão em laboratórios.

A Fiotec é a responsável pela gestão do projeto “Apoiadores Municipais para Prevenção, Controle e Eliminação de Malária”, hoje em sua quinta fase. Além de administrar os recursos destinados à iniciativa, a instituição realiza a contratação pontual de profissionais para atuação nas cidades da Região Amazônica, conhecidos como apoiadores municipais. Essas equipes são capacitadas para analisar dados e orientar as intervenções de controle da doença, baseados nos protocolos do Programa Nacional de Controle de Malária. A ideia é que o conhecimento em vigilância epidemiológica seja repassado gradualmente, por meio do trabalho em conjunto, às equipes de gestão estadual e municipal, garantindo assim sua autonomia na prevenção e combate à malária.


Fonte: agencia.ac.gov.br