Apoiado pela Fiotec, Fundo Global se encerra depois de 5 anos de atuação - Fiotec

Fique por dentro

Por favor, selecione quais conteúdo deseja receber da Fiotec:

Você pode cancelar a inscrição a qualquer momento clicando no link no rodapé dos nossos e-mails.

Nós usamos Mailchimp como nossa plataforma de marketing. Ao clicar abaixo para se inscrever, você reconhece que suas informações serão transferidas para a Mailchimp para processamento. Saiba mais sobre as práticas de privacidade da Mailchimp aqui.

O Projeto Fundo Global Tuberculose FGTB - Brasil, apoiado pela Fiotec e desenvolvido pela Fiocruz em parceria com o Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), do Ministério da Saúde, foi encerrado no último dia 30/4, após cinco anos de atuação. A partir deste mês, o PNCT assume todas as atividades desenvolvidas até então pelo FGTB, incluindo o site www.fundoglobaltb.org.br, que terá o seu conteúdo gradativamente redirecionado para o novo blog “Tuberculose: circulando a informação”.

Parceria público-privada única, dedicada a captar e desembolsar recursos adicionais para a prevenção e tratamento do HIV/AIDS, tuberculose e malária, o projeto congregou governos, sociedade civil, setor privado e comunidades afetadas, representando uma nova abordagem ao financiamento internacional da saúde. No Brasil, o projeto está ligado à Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) em parceria com a Fundação Ataulfo de Paiva (FAP).

De acordo com a Assessoria de Comunicação do FGTB, o impacto do projeto na consolidação técnica e política do movimento social é inquestionável. A experiência dos Comitês Metropolitanos – criado pelo projeto para atuar em diferentes áreas do País – com o envolvimento e mobilização da sociedade civil, ampliou o alcance das ações de controle.

Nos 57 municípios cobertos pelo projeto, os incentivos financeiros e técnicos foram destinados às capacitações e atividades de mobilização social, além de equipamentos e insumos para apoio aos programas municipais e estaduais de controle da doença e, de modo especial, para ações dirigidas aos grupos mais vulneráveis à doença, como população carcerária e em situação de rua.

Reconhecimento

Ao longo dos seus cinco anos de duração, uma das principais contribuições do FGTB foi viabilizar um processo de educação permanente adequado às necessidades cotidianas das equipes e às dificuldades encontradas na rotina dos serviços de saúde. Essas ações contribuíram para que, no fim de 2011, o Brasil fosse reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) por atingir um dos objetivos de desenvolvimento do milênio: reduzir pela metade a mortalidade pela tuberculose em relação a 1990.

Para o representante da Opas-OMS, Alfonso Tenório, que acompanha o controle da tuberculose no país desde 2003, o Brasil realizou um verdadeiro milagre que contaminou a todos os setores: academia, cientistas, mídia, e gestores públicos, especialmente o PNCT, que aumentou em até 14 vezes o orçamento para a área nos últimos 10 anos. “O Projeto Fundo Global brasileiro é o que tem a melhor avaliação no mundo e isto se dá pela continuidade das ações. Vontade é mais importante que o dinheiro. O FGTB é a “metástase benigna” que cresce com a força da propagação e dá sustentabilidade a todo o processo”, afirmou. 

O trabalho da Fiotec

Em 2007, a Fiotec criou o escritório FGTB para atender exclusivamente às demandas desse projeto. Três colaboradoras trabalharam no local, diretamente com a equipe técnica, formada por médicos sanitaristas e profissionais da área de saúde. “Essa proximidade nos proporcionou agilidade ao atender as demandas do projeto, por vivenciamos mais de perto os objetivos e metas. Assim, a Fiotec ganhou em qualidade no atendimento”, disse a analista de Projetos Elaine Casanova.

Fonte: FGTB