Prorrogadas até 17/9 as inscrições para curso de formação em saúde para mulheres - Fiotec

Gabriel Maia (PSAT/Fiocruz)

Integrante de comunidade de pescadores tradicionais no litoral sul do Rio de Janeiro. O registro foi feito antes da pandemia de Covid-19 (foto: acervo OTSS)

Inscrições prorrogadas: mulheres, trabalhadoras rurais, quilombolas, pescadoras artesanais, marisqueiras, trabalhadoras urbanas e/ou em situação de vulnerabilidade dos estados de Alagoas, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro, Tocantins e Distrito Federal têm até o dia 17 de setembro para se inscreverem no Curso de Formação de Saúde para as Mulheres. As inscrições podem ser feitas no Campus Virtual Fiocruz

Pensado pela Coordenação Político-Pedagógica do Programa de Promoção da Saúde, Ambiente e Trabalho (PSAT) da Fiocruz Brasília, o Curso tem como objetivo contribuir na formação de multiplicadoras em promoção e vigilância em saúde, ambiente e trabalho, com ênfase na saúde integral das mulheres, por meio de reflexões e práticas participativas no fortalecimento de territórios saudáveis e sustentáveis.

A formação será composta por três ciclos com aulas virtuais e um último ciclo presencial, caso a pandemia esteja controlada e seja possível esse encontro em segurança. Os ciclos serão divididos em: saúde e direitos humanos para as mulheres; autogestão, geração de renda e economia para as mulheres; promoção e vigilância da saúde da mulher; e apresentação dos projetos de ação local realizados pelas educandas. Além de espaços de diálogo, formação e estudo, o Curso também contará com oficinas de cuidados com o corpo, com a mente e com o outro, alimentação saudável, manejo de hortas caseiras e plantas medicinais, entre outros temas, conforme a demanda local. 

Os territórios contemplados pelo Curso compreendem diferentes comunidades:

Alagoas

  • Comunidade Quilombola do Carrasco em Arapiraca;
  • Comunidade Quilombola de Mariana, Filus e Jussarinha em Santana do Mundaú;
  • Comunidade Quilombola de Poços do Lunga, Mameluco e Sítio Volta e Lagoa do Cocho de Taquarana;
  • Marisqueiras e Mulheres de Terreiros em Maceió.

Ceará

  • Comunidade Rural de Monsenhor Tabosa;
  • Comunidade Quilombola de Tauá;
  • Comunidade Pesqueira de Caucaia;
  • Comunidade Pesqueira e Rural de Itapipoca;
  • Comunidade da Barra do Ceará de Fortaleza.

Pernambuco

  • Comunidade Rural de Caruaru;
  • Comunidade Quilombola de Salgueiro;
  • Comunidade Ribeirinha de Brasília Teimosa de Recife;
  • Comunidade Quilombola de Águas Claras de Triunfo;
  • Comunidade Ribeirinha de Atapuz de Goiana.

Rio de Janeiro

  • Comunidade Pesqueira, Rural e Quilombola de Maricá;
  • Comunidade Pesqueira, Rural e Quilombola de Nova Iguaçu;
  • Comunidade Pesqueira, Rural e Quilombola de Campos dos Goytacazes.

Tocantins

  • Comunidade Rural e Quilombola de Araguatins;
  • Comunidade Rural e Quilombola de Marianópolis;
  • Comunidade Rural e Quilombola de Novo Acordo;
  • Comunidade Rural e Quilombola de Palmas;
  • Comunidade Rural e Quilombola de Porto Nacional.

Distrito Federal

  • Comunidade Quilombola e Rural de Ceilândia;
  • Comunidade Rural de Planaltina;
  • Comunidade Rural de Samambaia;
  • Comunidade Rural de Sobradinho;
  • Comunidade Rural e Mulheres em Situação de Vulnerabilidade de São Sebastião.

Este projeto faz parte de uma ação conjunta do PSAT e da Secretaria de Mulheres da Câmara dos Deputados, em parceria com as deputadas federais Professora Dorinha Seabra (DEM-TO), Luizianne Lins (PT-CE), Érica Kokay (PT-DF), Marília Arraes (PT-PE), Soraya Santos (PMDB-RJ) e Tereza Nelma (PSDB-AL). O objetivo é disseminar e compartilhar conhecimentos e tecnologias em saúde, ambiente e trabalho, promovendo qualidade de vida e redução das desigualdades sociais.


Fonte: portal da Fiocruz Brasília.